terça-feira, 29 de julho de 2008

Das púrpuras rosas que me são pisoteadas, me sobre uma lima de espinhos cortantes, que já sangram, mas furam, por que o amor é uma ferida ensangüentada e purulenta, cheia de vícios e dores. Na vastidão do tempo e do espaço, cresço e caminho, tenho vertigens e busco, um teto, um alento, um caminho, por que já não sou o que era, mas outro além e porém. Ainda quero-te e acredito. São os teus passos que me faltam, que me dizem “não”, que me fazem ter vertigens e chorar noites para dentro. Eu sempre, dentro, no escuro.

Buenos Aires, 29 de julho de 2008

3 comentários:

SA disse...

Nem sempre sei se é a personagem ou você mesmo. Não importa, acho. A boa literatura tem como substrato a vida vivida. Que seja.

Um beijo. Gostei desse também. Talvez possamos pensar um um livro. Acho que é preciso, contudo, escrever sobre outras coisas que vê ou sente. Veredas povoadas por dor e outros adjetivos que sempre vêm juntos, seguido de lama, caos, escuridão é um estilo marcante, contudo, recorrente até mesmo nas palavras. Ainda assim, tenho-os achado ótimos.

beijinhos.
PS. Adorei a língua.

Cicero disse...

Gostei muito do seu cantinho aqui, Guilhermo. Uma (boa) surpresa! Você ganhou um leitor, se o tempo permitir, assíduo.

E se "o silêncio é a única coisa que resta, nesta boca seca, e pétrea, que já não ententa hablar", que suas mãos sejam privadas desta paralisia. Porque ainda que não fale, continue escrevendo.

Um grande abraço!

Anônimo disse...

Can you tell us more about this? I'd love to find out more details.

my web-site ... click here